sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

"INDEFESOS LIVROS SERVINDO AOS OLHOS E SUA NUDEZ"




Abençoado seja o homem,
Que da cultura se alimentar
Viver em comunhão com a literatura
E seus conhecimentos compartilhar

Feliz é a nação que do livros fizerem sua morada
Olhos que a nada vêm, crua nudez de conhecimento 
Como a um murro imaginário oculto ao saber
O abandono das letras entregues a solidão

Eu sou o silencio palavras incompreendidas
Literatura amargurada perdida, livros sem vida
Como nestas palavras se amparar se os olhos não as tocar
À quem possa percorrer o mundo das palavras sem as ver?

Livros silenciosos indefesos se ofertando ao saber
Olhos desconhecidos cruzados que a nada veem 
Por onde anda as palavras que já não são ouvidas
Preciso seria aos livros se rebelar para a vida, vidas lhes dar
Para que os olhos da vida voltassem a se entender se amar

Indefesos livros servindo aos olhos de desvairada nudez
Dedos que tocam as palavras que não as podem ver
Multidão silenciosa, cultura entregue a solidão
Sentida ouço a voz dos livros ignorada por ingratidão 


Poeta do Sertão
30-11-2016

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Contra todas as probabilidades

"AOS LÁBIOS, O NÉCTAR DAS FLORES"


                             soneto


Por caminho escondido
Como as águias em seu renascer
Quando isola-se para rejuvenescer
Em suas asas plainando

As pérolas nas profundezas a se reproduzir
Almas apaixonadas como pérolas a se lapidar
Plenas como as águias solitárias a se renovar
Orfeu toca sua lira para os anjos ouvir    

Paixão distribuindo gotas de amor
Hoje as sementes no jardim a se transformar
Quando chegar a primavera se apresenta como flor

O sorriso valorizando um belíssimo olhar
O néctar extraídos das flores
Lábios entre abertos anseiam por beijar


                     Poeta do Sertão
                          30-11-2016

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

"O SOL NÃO DEIXARA DE BRILHAR"


                     soneto


O sol que brilha na cidade da esperança
Hoje escritas dores lagrimas e oração
Olhares silenciosos tomados pela emoção
De repente tudo se transforma em lembrança

O caminho traçado passos e degraus a galgar  
Fica em todos um vazio, como explicar
Almas inconsoláveis abraços mãos a se tocar
Vidas perdidas sem ter como evitar 

Vão-se os corpos fica a historia 
É o sol que brilha assim como ao luar
Serão sempre campões em nossa memoria 

Na cidade da saudade o brilho não ira se apagar
Força Chapecoense não há de sucumbir 
Renasceras das cinzas para aos seus heróis saudar 

"O SOL EM TI JAMAIS DEIXARA DE BRILHAR"


                        Poeta do Sertão
                            30-11-2016

terça-feira, 29 de novembro de 2016

"SONETO DO TEMPO PERDIDO"




Nestes longos anos de penúria por qual passei 
Ficaram tão distantes em minha infância deixei
Infância de miséria castigo e segredo 
A voz vinda do álcool causando espanto e medo

Este soneto envelhecido perdido no tempo
Sopra aos ouvidos as dores vindas no vento
Dias entristecidos de angustias e e dores
A falta de tudo dias de um jardim sem flores

Lagrimas no rosto soluços e temor
Olhos amargurados perdidos na imensidão
Haverá neste angustiado peito fagulhas de amor

O tempo passou no menino as dores marcas deixou
Um soneto feito em lagrimas, no tempo perdido
Lembranças de um passado e das lagrimas que marcou


                           Poeta do Sertão
                               28-11-2016 

sábado, 26 de novembro de 2016

"POR ONDE ANDAM OS SONHOS"




Por onde andam meus sonhos
Que hoje não os encontro mais
Por onde andas 
Tão singelos e perspicaz

Sonhos na madrugada na noite a flutuar
Esta minha vida sonhadora 
Os sonhos comandam os destinos da vida
Sonhos é viver, sonhar é a vida planear

Por onde andam 
Os sonhos perdidos nas noites quentes de verão
Sonhos alimenta a alma aquece a paixão
O sonho é o combustível que conduz a ilusão

Por onde andam os sonhos?
Se nem sei mais o que é sonhar 
A felicidade é vivida em momentos
Os momentos são construídos num sonhar


                       Poeta do Sertão
                           

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

"QUERO SER O SEU SORRISO"





Quero ser seus lábios 
Para ser o seu sorriso 
E no brilho de seu olhar
Em seu sorriso sonhar e versar

Quero ser o seu sorriso
Para na plenitude do alvorecer
Tocar seus lábios como a brisa da manhã
E sentir sua fragrância o seu respirar 

Quero sentir seu corpo pulsando colado ao meu
Magico seria sobre a nevoa te amar
Sentir o toque de seus dedos a me procurar
A noite ilumina seu rosto coberto com a luz do luar

Quero ter o seu sorriso banhar-me em sua boca
Sentir o seu desfalecer na plenitude do prazer 
Tens nos lábios da com da rosa mais bela do jardim
Quero te-la como ao polem tem aos colibris...

Quero ser o seu sorriso, 
Pulsar em seu intimo senti-la pulsando no leito,
Toma-la em meus braços e te amar por inteiro, 
Como o céu ama as estrelas ao brilho do luar


                      Poeta do Sertão

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

"A DISTANCIA"




Perdido por entre as estrelas e a lua
É noite a lua brilha no horizonte 
Entre sonhos e devaneios não sei onde te encontrar
Os sonhos de uma noite sem ao menos lhe tocar

Estamos aqui perdidos tão distantes 
A distancia nos ensina a falar com um olhar
Notas silenciosas nos ouvem, nos faz sonhar
É sua distante presença me querendo amar

Quero encontrar-te tocar seu rosto ama-la ao mar
Entendo-me com a distancia do seu corpo a me tocar
Hoje a noite se fez saudosa sentido a falta do luar
Áh distancia faceira que oculta-se nas ondas do seu olhar

A distancia entre o sol e a lua 
Esta no universo destes versos escritos em saudades
E nas pétalas da flor ao luar do bem me quer 
Meu coração bate onde a mais bela onda rainha estiver


                      Poeta do Sertão

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Novo livro do poeta: Quimas Silveira

Capa do livro
Mais um livro do poeta Quimas Silveira que chegou para emocionar. 
Você pode baixar gratuitamente e se deliciar com seus poemas. Não perca tempo, faça já seu Download.

Apenas o Descansar em Teus Braços é uma coletânea de poesias dedicadas à Margareth Imbelissieri (Meg) e organizadas nesse volume no ano de 2016.
80 páginas
Saiba como baixar o E-book Grátis clicando AQUI. 

Leiam um dos poemas que fazem parte do livro: Apenas o Descansar em Teus Braços., e saibam porque o livro está fazendo tanto sucesso e porque Quimas Silveira é considerado um grande poeta.


Você é o tempo,
O sol que nasce em meio à névoa,
A manhã que escorre
Rasgando o véu da neblina.
Você é o meio-dia,
Anunciando a tarde,
Aquecendo as horas,
Convidando ao ócio.
É o ocaso
Que tinge de rubro
As nuvens inconstantes
No caleidoscópio celeste.
É o manto estrelado,
Salpicado de luzes fugidias.
É a lua imensa
Que desfaz a escuridão
E ilumina os caminhos
E revela a relva.
É a madrugada tépida
Que desperta o desejo,
Que enlaça os braços,
Que cria o amor
E faz desfalecer em sonhos
Os corpos extasiados pelo prazer.
Você é todas horas,
Cada ínfimo instante,
Eternidade.

S. Quimas

Essa poesia faz parte do novo livro do poeta Quimas Silveira: "Apenas o Descansar em Teus Braços", que está disponível para download gratuito. Siga o link e baixe. Espero que a leitura seja prazerosa.

Encontre o autor no Facebook: Quimas Silveira

"VOLTE PRIMAVERA"




Ninguém sabe do meu coração
Uma perdida ave solitário passarinho 
Um bruto sem lar homem sem carinho
Perdido nesta deserta e frenética imensidão 

Conto aos dias, conto as horas 
Florestas que no inverno sem sua flores chora
É o verão secando ao leito dos rios 
Sem vida põem-se a gotejar 

Ninguém sabe do meu coração
Atrasei-me perdi a flor que tanto desejei
A primavera se foi levando consigo minha flor
Enlouquecidas manhãs de inverno fechei-me em solidão

Marcados beijos de outono esquecidos 
Ecoa por entre as folhas caídas um novo pedido
Volte primavera venha florir novamente o jardim 
Deste esperançoso e humilde colibri entristecido a voar


                        Poeta do Sertão

terça-feira, 22 de novembro de 2016

QUANDO A AREIA AOS BRAÇOS DO MAR SE ABRIGAR




No sublime encontro das areias com o mar
A profundidade das palavras escritas em versos
Ao despontar no infinito mais um dia
Ao acaso da magia nos versos de uma poesia 

Quero encontrar-me em poesias
Com as águas beijando areia 
O vento que sopra a brisa toca-me a maresia
Nevoa solta suavemente do mar

O acaso poético das cores e das flores
Os detalhes singelos do brilho do luar
Na bela profundidade das águas cristalinas
Onde se esconde a beleza que os olhos não ira alcançar

As marcas dos versos eternizados em poesias 
Surpreende-me o perfume da primavera com suas flores
O canto dos pássaros a beleza dos colibris 
Vagarosamente cai a noite, surge poética com seus amores

As belas estrelas das noites de luar o universo a iluminar 
Deita-se sobre areia, límpidas águas do mar
Como descrever estes versos sem falar do amor
Dos voos das borboletas em direção aos lábios de uma flor

Quando a areia envolvida pelo mar
Transbordando de amor as águas vier lhe fecundar
Onda após onda num incontido vai e vem das estrelas a se banhar
Transformar-te-ei em poesia no sublime momento de amar

Quando a areia nos braços do mar se abrigar
Das águas as ondas sobre seu corpo a cavalgar
Terá as estrelas como testemunhas a luz do luar
Em leito esplendido a areia apaixonada pelo mar 


Poeta do Sertão

sábado, 19 de novembro de 2016

A queda


Perfil do autor no Facebook: Paulinho Dhi Andrade
Fanpage do autor: Paulinho Dhi Andrade
Canal do autor no You Tube: Paulinho Dhi Andrade

"MEU SONHO NUM PORÃO, UTOPIA? ESCRAVIDÃO?"




O sono fez-me tombar
Tão cansado não notei e adormeci
Um sono com pesadelo, agitado
E de repente num porão me deparei

Dos arrancos e as batidas das ondas do mar
As águas o navio a chacoalhar parecia virar
Em meu pesadelo a escuridão nada me deixava ver
Ouvia gritos de alguém a sofrer

Em meu sonho tive as mãos acorrentadas 
Deitado em gélido chão plena era a escuridão   
Murmúrios e lamentos sem eu nada a entender 
Conseguiria a este suplicio sobreviver 

Meu sonho num porão 
Capturado submeter-me ei a escravidão 
Debatia-me na escuridão 
Rogava ao Senhor tenha de mim compaixão 

Despertei-me de tal pesadelo ofegante suado
Seria minha esta realidade ou teria sonhado 
Teriam no passado alguém me escravizado?
Teria eu a liberdade deste sonho em um porão!!!

Meu sonho num porão, utopia? escravidão?
Como nos campos de algodão o capataz a chibata 
A liberdade, quizás um dia a igualdade se torne realidade
O amadurecimento para se viver em harmonia 
Sera a igualdade mera utopia em primavera por um dia


                      Poeta do Sertão
                           18-11-2016

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

"LIBERDADE AMORDAÇADA"




A porta da a realidade 
A vida e sua plena liberdade
Amordaça imposta da desigualdade?
O preconceito imposto por uma sociedade 

A tal liberdade e sua felicidade 
O comportamento oportunista de disparidade
A mente empobrecida e mesquinha de uma sociedade 
Oh...liberdade, amordaçada senzala em nós alimentadas

A liberdade é importante se compreender
O  conteúdo da palavra o que vem a conter
Igualdade, liberdade o que vem a ser?
Não se julga a cor é o caráter que à de prevalecer 

Liberdade amordaçada cega subjugada 
A consciência de igualdade, esta é a liberdade
De um País e sua sábia sociedade 
Uma sociedade, sem igualdade e suas disparidade 

Esta cega liberdade prenuncio de desigualdade
Como exercer a plena cidadania se sobre julgas a cor  
Corta-se a veia predomina o vermelho a tingir nosso chão
Em uma só cor se alimenta ao coração


                      Poeta do Sertão
                          17-11-2016

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

SOMOS TODOS IGUAIS




No reflexo do meu espelho
Na imagem do meu eu 
Me vejo de frente ao seu ser
Sorridente como a me dizer sou igual a você

Minha pele, na sua pele seus lábios 
Os seus cabelos em seus olhos 
Te vejo em meu corpo
Duvidas não pode haver somos iguais eu e você

Como foi bom te encontrar 
Contigo pela orla do mar
Abraçados coladinhos sobre o luar 
Corpos uniformes a passear 

Somos todos iguais
Nos versos da magia feitos em poesia 
Minha lagrimas em seus olhos
Na magia dos nossos corpos a se encontrar


                  Poeta do Sertão

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

MINHA VOLTA AO MUNDO: APIA / SAMOA / OCEANIA - Me tratou como se eu foss...

MINHA VOLTA AO MUNDO: APIA / SAMOA / OCEANIA - Me tratou como se eu foss...: MINHA VIAGEM PARA "APIA" / SAMOA / OCEANIA ���� APIA, CAPITAL DE SAMOA EH UMA CIDADE ACONCHEGANTE E MUITO SHOW DE BOL...

MINHA VOLTA AO MUNDO: KIRITIMATI / TARAWA / KIRIBATI / OCEANIA - Viajand...

MINHA VOLTA AO MUNDO: KIRITIMATI / TARAWA / KIRIBATI / OCEANIA - Viajand...: MINHA VIAGEM PARA "BAIRIKI" / "KIRITIMATI" / TARAWA / KIRIBATI / OCEANIA Uma das viagens mais legais que ...

MINHA VOLTA AO MUNDO: BENDIGO / VICTORIA / AUSTRÁLIA / OCEANIA - Caindo ...

MINHA VOLTA AO MUNDO: BENDIGO / VICTORIA / AUSTRÁLIA / OCEANIA - Caindo ...: VIAGEM PARA A CIDADE DE  "BENDIGO" / VICTORIA / AUSTRÁLIA / OCEANIA Em nossa viagem para Austrália, passamos pela c...

MINHA VOLTA AO MUNDO: HONIARA / ILHAS SALOMÃO / OCEANIA - Aprendendo a f...

MINHA VOLTA AO MUNDO: HONIARA / ILHAS SALOMÃO / OCEANIA - Aprendendo a f...: HONIARA / ILHAS SALOMÃO / OCEANIA  Depois que chegamos em Honiara, capital das Ilhas Salomão, nos hospedamos e só saímos no dia ...

MINHA VOLTA AO MUNDO: WELLINGTON E ROTORUA / NOVA ZELÂNDIA / OCEANIA - ...

MINHA VOLTA AO MUNDO: WELLINGTON E ROTORUA / NOVA ZELÂNDIA / OCEANIA - ...: WELLINGTON E ROTORUA / NOVA ZELÂNDIA - DANDO TRABALHO PARA AS ENFERMEIRAS Estávamos indo de carro que alugamos da capital We...

MINHA VOLTA AO MUNDO: NUKUALOFA / REINO DO TONGA / OCEANIA - Os feijões...

MINHA VOLTA AO MUNDO: NUKUALOFA / REINO DO TONGA / OCEANIA - Os feijões...: PASSAGEM POR "NUKUALOFA" CAPITAL DO REINO DO TONGA / OCEANIA Estava andando por uma rua quando passei por uma casa que...

MINHA VOLTA AO MUNDO: PORT VILA / VANUATU / OCEANIA - Gato correndo atr...

MINHA VOLTA AO MUNDO: PORT VILA / VANUATU / OCEANIA - Gato correndo atr...: VIAGEM PARA PORT VILA / VANUATU Caminhando por uma rua percebi que duas pessoas andavam do meu lado. Andei mais depressa para me ...

sábado, 12 de novembro de 2016

"A LIBERDADE DAS PALAVRAS"





Como a luz 
Brilha imponente no infinito 
A soma das letras na liberdade
Incontida de se expressar 

A liberdade e a união das letras
Formando palavras e versos
Compondo-se sonetos e poesias
Como por encanto inexplicável magia

Das noites de luar vividas em boemia 
Entre sonhos e meigas fantasias 
O sol no horizonte o dia vem clarear
Desperta o poeta em seus versos
Como pássaros livres pelos campos a voar

Como a luz do universo 
Que solitária se põem a brilhar
Uma fagulha surge por entre as frestas
Para a imaginação através das palavras se expressar 

A liberdade das nuas palavras 
Num universo incontido da imaginação
No infinito berço, invariável das letras 
A poesia ganha corpo entre versos e estrofes 
Une-se ao papel tão simples para se eternizar 


                         Poeta do Sertão
                              12-11-2016

domingo, 30 de outubro de 2016

"NA PONTA DA ESPADA, E DAS PALAVRAS"





Para além, muito além
Duas extremidades opostas 
Como a água e o fogo, a pedra e o corte
Onde tudo começa ou termina

Na ponta da espada e das palavras
Como em um fatídico sonho fora da realidade
Trás lhe o vento momentânea satisfação
Como a uma linha imaginaria demarcada a lápis  

Os traços de um lápis
Marcados em papel marche 
Uma imagem concluída por volta da vida
As marcas do tempo eternizada em grafite 

Na ponta da espada e a magia 
A lamina que corta ao vento levando
Como a ponta das palavras cortam como açoite 
Sem pensar nas feridas que expostas a carne se contamina

Na ponta da espada e das palavras 
Na extremidade oposta de um juiz a sacramentar 
As palavras que podem dizer 
O amanhã sem sol poderá somente anunciar o seu escurecer



                               Poeta do Sertão

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Contos Infernais

Capa do Livro


CONTOS INFERNAIS DE CHARLES NODIER de S. Nodier , uma seleção e tradução dos melhores contos de Infernaliana deste ilustre autor francês , encontra-se à venda nas lojas Amazon de todo o mundo em formato físico e digital.

“Antes de morrer, Charles Nodier confiou-me o manuscrito de uma obra em que estava a trabalhar. Era uma antologia de contos chamada Infernaliana. Com o passar do tempo, o manuscrito foi ficando indecifrável, mas, felizmente, consegui traduzir partes do mesmo. Nos seguintes contos frenéticos, o leitor é mergulhado numa espiral fantástica em que a fronteira entre o nosso mundo e o sobrenatural é muito ténue.”

Encontre na Amazon: Contos Infernais
Encontre o autor Samir Karino no Fecebook




Sobrenatural

Capa do Livro

Sobrenatural 
Encontre o livro na Amazon
Encontre o livro na Kobo
Encontre o autor no Facebook

sábado, 22 de outubro de 2016

"REVENDO A GAVETA DAS ILUSÕES"




Hoje revendo a gaveta longínqua do passado
Quantos escritos perdidos encontrado
Com poesias inacabadas me deparei
Quantas coisas não sei porque parei

Sentimentos passados a tempos esquecidos
Por algum tempo eu voltei
Devaneei pelas sombras de tudo que deixei
Em lagrimas me afaguei 

Hoje revendo a gaveta que no passado deixei
Com a saudade me confrontei
Por quantos dias de primavera passei
As flores que em versos exaltei 

Tão intenso o que foi vivido pelas linhas dos dias perdido
Pequenas partículas de saudades foi o que restou
Os momentos e as lembranças que de mim se apossou
Hoje tão distantes as gavetas da memoria se fez saudades 

Hoje revendo a gaveta um filme adormecido reativei 
Pelos escritos das saudades solitário caminhei
Negando-me ao obvio, frente a frente com o passado 
Que saudoso por instantes embebecido reatei...

Desarrumadas gavetas das ilusões
Remexidas esperanças que alimentam corações
São as lembranças espalhando incontidas solidões
Como as aves soltas na natureza entoando suas canções
 


                          Poeta do Sertão

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

"ATÉ QUE UM DIA"




Até que um dia
Vulcões internos  em erupção 
Manifesta-se ferozmente sem permissão
Erguendo-se em tempestade

Fagulhas em brasas
Tenebrosamente desenha-se ao ar
Quebrando a calma de fria madrugada
Desejos incendiando alvos lençóis 

Destituindo-se de pudor 
Clamando ao peito ternura e calor
O céu calou-se ao desarrumado alvorecer
Acolhendo louca e despudorada erupção

Até que um dia 
Tal intensidade possa se acalmar
Transformando a magia e a poesia 
Em acalorada amena calmaria...


              Poeta do Sertão

Paulinho Dhi Andrade


Caros amigos, venho por meio desta postagem solicitar a cooperação de vocês. Solicito que me Sigam no Facebook para ficar mais fácil saberem tudo sobre meus Projetos Literários. 
Desde já fico imensamente agradecido.
Muito obrigado a todos.

Para se tornar um de meus seguidores, clique no Botão a baixo:

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

"DIA DO POETA"




A eternidade
Se faz na pena do poeta 
A vida e seu sonho 
Se escreve em magia

Um poeta com sua mente
Transforma o branco em versos
Num papel vejo a luz do luar
Ouço ao poeta falando as flores 

Um poeta impulsionado pelo desafio 
De trilhar os caminhos da felicidade da paixão
Dos olhos expressando a desilusão
As emoções saltam-lhe da mente por um fio

O dia do poeta registrar-lhe-ei 
Palavras eternizadas e as emoções
O amor traz-lhe inspiração e guarida
É o poeta em sua poesia gerando vida 

Um poeta feito em dor 
Namorando ao luar imbuído de amor
Eterniza-se nas estrelas e na lua
Indecifráveis palavras em realidade ou ficção,


                    Poeta do Sertão
                         

terça-feira, 18 de outubro de 2016

"Terras e Serras tão Belas em Alto Relevo"




Queria eu ouvir
Em breve momento de loucura
As vozes vindas da escuridão 
De uma mente em perversão 

Que posso eu ao cume
De imponente declive a me desafiar
Impõem-se de tal forma soberano
Temeroso restou-me recuar

Terras em alto relevo 
Brotas da terra beijando aos céus
Montanha encantada cobre-te verde véu
Que te faz impar num simples olhar

Cume com suas linhas imaginárias
Teus pés pelas ondas a se banhar
Uma constelação frente a teus olhos
Por sobre a noite se faz rainha estelar 

Terras e serras se faz tão belas
Que brotas imponente em alto relevo
Tão distante se faz sua beleza imaginar
Tão ingrime qual a um polegar o céu a tocar



Poeta do Sertão

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

"A VOZ DOS COLIBRIS"



Das rosas
Trago o perfume
Como que por magia
A voz dos colibris contagia

Sopra o vento
Harmoniosa melodia 
As folhas envaidecidas
Aplaudem a exaustão 

Das roseiras
Pétalas harmoniosamente 
Desgarram e bailam 
Freneticamente a luz do luar

Das rosas 
Uma suave fragrância 
Nos contagia e nos faz ouvir
Doce melodia na voz dos colibris 


                Poeta do Sertão

Não tem tempo para divulgar seu livro? Eis a solução.

Escrever um livro parece ser muito mais fácil que divulga-lo... ou não? Para algumas pessoas, somente o fato de ter que divulgar uma obra sem saber se terá bons resultados, já é cansativo, mesmo que seja nos meios bem fáceis utilizados nos dias de hoje com a tecnologia avançada.
O método boca-a-boca ainda funciona, mas nem sempre os resultados são como esperados pelo autor. Existem diversas maneiras para se divulgar não somente um livro, mas qualquer tipo de arte ou empreendimento.  A Planeta Azul Editora e a Vitrine Literária vem demonstrando bons resultados nas divulgações de obras literárias, tanto de escritores iniciantes quanto de autores já com um bom caminho andado.
Para saber mais sobre a forma que eles trabalham, Clique AQUI!